Teste PCR

Marcação Testes Covid-19

Informações

Covid-19

A doença COVID-19 foi declarada pela Organização Mundial de Saúde (OMS) como pandemia no dia 11 de março de 2020, sendo provocada pelo novo coronavírus SARS-CoV-2.
A transmissão de pessoa a pessoa foi confirmada e julga-se que ocorra durante uma exposição próxima a uma pessoa com COVID-19, através da disseminação de gotículas respiratórias produzidas, quando tosse, espirra ou fala, as quais podem ser inaladas ou pousar na boca, nariz ou olhos de pessoas que estão próximas.

O contacto das mãos com superfície ou objeto contaminado com SARS-CoV-2 e, em seguida, o contato com boca, nariz ou olhos, pode conduzir igualmente á transmissão da infeção.
Estão disponíveis testes de diagnóstico (PCR, Antigénio e serológicos), no entanto é importante referir que pesquisam coisas diferentes.
O PCR e o Antigénio detetam a presença do vírus e a serologia a resposta imunitária à existência do vírus (anticorpos).

Teste PCR para pesquisa de RNA do vírus SARS-CoV-2

PCR significa polimerase chain reaction (reação em cadeia da polimerase).A amostra para estes testes é o exsudado nasofaríneo colhido com uma zaragatoa. Em caso de exposição ao SARS-CoV-2, nos primeiros dias, a quantidade de vírus no organismo é tão baixa que nenhum teste consegue detetar.

Por volta do 2º ao 7º dia da infeção existe um aumento da carga viral tornando possível a sua deteção por PCR. O PCR permite a identificação de indivíduos assintomáticos, mas que sejam portadores do vírus da COVID-19, e é considerado o teste de referência.

Teste rápido para pesquisa do antigénio do SARS-CoV-2 (TRAg)

Os testes de antigénio detetam proteínas, tais como proteínas da superfície do vírus, logo, é necessária uma quantidade de vírus alta para ser detetado, tornando-se mais sensível quando da existência de sintomas (por volta do 7º ao 10º dia), quando o vírus se replica rapidamente e a probabilidade de existir no organismo em quantidades elevadas é grande.

Os testes rápidos são menos sensíveis do que os testes PCR e, portanto, a probabilidade de obter resultados falsos negativos é maior.
Assim, em regra, um resultado negativo num teste rápido não permite excluir, por si só, uma infeção pelo SARS-CoV-2, havendo necessidade, por vezes, de realizar um teste PCR, tendo em conta a situação clínica e epidemiológica de cada pessoa.

Teste serológicos para pesquisa de anticorpos contra o SARS-CoV-2

Os testes serológicos detetam a resposta do organismo (anticorpos) á presença do vírus SARS-CoV-2, numa amostra de sangue. Os anticorpos são proteínas específicas (Imunoglobulinas) produzidas para combater infeções. Os anticorpos não são todos iguais, formam-se em fases diferentes após a infeção e mantêm-se durante períodos diferentes.

A deteção de anticorpos IgM tende a indicar a exposição recente ao SARS-CoV-2, enquanto a deteção de anticorpos IgG indica exposição ao vírus já a algum tempo (imunização).